Além da irmandade: As lições dos irmãos Elric

19/02/2013
Eu sou Edmiel Leandro e sou fã de Fullmetal Alchemist

Animes sempre fizeram parte da minha vida, desde Dragon Ball a Pokémon. Desenhava-os nos meus cadernos da escola e até decorava as músicas de aberturas. Sem dúvida é meu estilo preferido de animação, uma pena que atualmente não se produz mais animes na qualidade de antigamente, mas não só animes, também várias outras coisas não se faz como antigamente..

Conheci os irmãos Elric por volta de 2005 (não tenho muita certeza). Assistia sempre no fim de tarde quando chegava da escola, lembro-me que era o único desenho que passava naquela hora e as vezes brigava pelo controle da televisão para poder assistir. Naquela época para mim era só um desenho como outro qualquer, e eu não conseguia entender as várias lições que ele passava.

Fullmetal Alchemist é uma série de mangá criada por Hiromu Arakawa e serializada na revista mensal Shonen Gangan desde Agosto de 2001. Recebeu duas adaptações em animes, a primeira em 2003 e a segunda no fim de 2009.

Tenho uma teoria de que todo anime tem o objetivo de passar uma mensagem ou uma lição de vida, porque eu acho que japonês é assim mesmo rs. Quando assisti a primeira temporada do anime, eu gostava muito das cenas de ação e daquela magia que envolvia a alquimia e toda aquela história sobre criar outras formas e tal. Já na segunda temporada vi o desenho que outros olhos, talvez olhos mais maduros. Me lembro que havia cenas em que eu me emocionava ao ponto de chorar e outras que me revoltava, assistindo ali eu aprendi certas coisas que vou compartilhar com vocês nesse tópico.

A história
A história começa em uma pequena cidade do interior, chamada Resenbool, onde vivem os irmãos Edward e Alphonse Elric, filhos de Van Hohenheim e de Trisha Elric.

Quando eram pequenos, o pai misteriosamente abandona a família. Algum tempo depois, Trisha acaba morrendo devido a uma doença antiga que nunca tratou. Desde então, Edward, o mais velho dos irmãos, passou a culpar o próprio pai pela morte da mãe. Arrasados com a morte de quem tanto amavam, tentam ressuscitá-la, utilizando uma técnica proibida da qual tomaram conhecimento lendo um dos livros que Hohenheim havia deixado em casa, sobre Alquimia (já explico).

Durante o processo, algo dá errado e os irmãos são levados a algum tipo de outra dimensão onde são apresentados a um ser. Este, por sua vez, abre o portal do conhecimento aos irmãos e pelo conhecimento adquirido partes de seus corpos foram sacrificados para pagar o preço. Edward perdeu sua perna esquerda, enquanto Alphonse perde todo seu corpo. Desesperado, Ed sacrifica seu braço direito para poder inserir a alma do irmão em uma armadura vazia.

Assim começa a saga dos irmãos Elric, que tem por objetivo recuperar seus corpos. Para fazer isso eles descobrem que é necessário um elemento raro que é capaz de amplificar o poder de criação de um alquimista, podendo criar assim, elementos a partir do nada. A pedra filosofal.

A lição da Alquimia e a Lei da troca equivalente
Muita gente acha que a alquimia nasceu nas histórias de Harry Potter ou até mesmo na história de FMA, mas na verdade a alquimia já foi uma verdadeira ciência, praticada por nomes grandes através da história. A atividade consistia em reunir elementos da várias outras ciências como base teórica e tinha quatro objetivos. O primeiro era a transmutação de metais, que nada mais era do que fundir vários metais inferiores através de processos químicos para conseguir ouro no resultado final. O segunda era o elixir da vida, um remédio que curaria todas as coisas e daria vida longa àqueles que o ingerissem. O terceiro era criar vida humana artificial, corpos sem alma conhecidos como homúnculos. E o quarto era fazer a coroa enriquecer, objetivo meramente político e de garantir a própria existência dos pesquisadores.

A verdade é que tais façanhas não foram bem sucedidas porque sempre faltava algo a mais nas pesquisas, uma substancia que traria um poder a mais e supriria o que faltava. O elemento era a pedra filosofal, seria um elemento capaz de transformar chumbo em ouro e capaz também de criar o elixir da vida e proporcionar a vida eterna. Tal elemento é explorado no universo de FMA.

Na alquimia existe a Lei da troca equivalente, que se aplica à maior parte das situações. Ela impõe a teoria de que para se ganhar alguma coisa, é necessário sacrificar alguma outra coisa do mesmo valor. Não é possível criar algo a partir no nada. E é justamente a pedra filosofal que quebra este paradigma e fornece ao seu usuário a capacidade de criar ouro a partir do ar, por exemplo. Essa é a busca dos irmãos Elric no universo de Fullmetal Alchemist.

Família, Irmandade e os Amigos
É incrível como esses três fatores são determinantes para que os irmãos prossigam em sua saga. Primeiro sua família, embora sejam só os dois, sua “avó” e “prima” estão sempre apoiando-os em suas aventuras, sempre acolhendo-os quando precisam e dando suporte tanto com suas próteses mecânicas, como emocionalmente. Muito legal mesmo ver a ligação de amor e amizade entre eles. Segundo, a irmandade em si. Um vive pelo outro, o mais velho cuidando do mais novo e mais novo cuidando do mais velho, um amor mútuo e sem nenhum sombra de dúvida recíproco, capaz de qualquer sacrifício. E por fim a amizade, que são muitas ao longo do caminho. Alguns morrem e outros surgem e até mesmo quem parecia ser inimigo, no final se torna um fiel companheiro. Acho que a sintonia deles é capaz de transformar as pessoas em prol de sua causa.

A força de vontade
Também vale citar que apesar de estar tudo dando errado a força de vontade sempre prevalece, não só nos protagonistas, mas também nos seus amigos e companheiros que precisam fazer algo para ajudá-los. A vontade de fazer o bem e de sair por cima mesmo em situações de perigo, e mesmo que isso vá lhe custar a vida, morrer em prol da causa é uma honra memorável. Isso tem um Q de japonês mesmo, mas mesmo assim é uma lição para mim.

Humanos, homúnculos e a perfeição
Nós humanos temos defeitos sim. Mas é isso que faz de nós humanos e se não tomarmos consciência disso podemos nos perder. No anime há um vilão, e como todo vilão de anime que se preze, ele busca a perfeição. A forma como ele faz isso é da seguinte maneira.. Segundo (não sei quem.. uehuehe) os humanos são providos de sete pecados capitais (gula, avareza, luxúria, ira, inveja, preguiça, vaidade ou orgulho) e para ser um ser perfeito é necessário se livrar desses pecados. É aí que nasce os homúnculos, seres humanos artificiais com a índole de cada pecado. São ao todo sete e cada um possui uma habilidade especial distinta. Os sete reconhecem o tal vilão como pai e fazem suas tarefas por todo lugar. O que me deixa curioso é que apesar de serem humanos sem alma, os homúnculos possuem sentimentos e um desejo em comum, o de serem humanos de verdade e por isso ajudam sua pai na busca da pedra filosofal.

Aprender com a dor é a grande lição
Acho que essa é a grande lição que aprendi, aprender com a dor. Os garotos lá perderam sua mãe, e sua angustia foi tão grande que fizeram a loucura de tentar revivê-la. Eu não sei como é perder alguém importante, ainda não. Mas quando acontecer devo estar preparado para sofrer minha dor, porque todos passam por isso uma dia, seja pelos pais ou por alguém que amou. A dor um dia nos alcança, mas o mais importante é ter amigos por perto, amigos e a família que nos dão a força necessária para continuarmos. Somos humanos e as vezes em nossa loucura fazemos erros piores do que nossa natureza, o importante é erguer a cabeça e tentar de alguma forma consertar tudo o que fizemos, e se não for possível consertar, se arrepender já está de bom tamanho.

Foi isso que eu aprendi.